Batman-V-Superman-XXX-posterBatman vs Superman foi um dos filmes mais esperados pela comunidade nerd, e também um dos mais polêmicos que tivemos no cinema de 2016. Como sempre, “lovers” e “haters” se atacaram em fanpages e sites, achando que na base do “grito” resolveriam qual era o melhor herói, ou o melhor filme sobre heróis. Enquanto isso, nós punheteiros e siriqueiras já sabíamos desde 2015 que o melhor filme de heróis não passou nos cinemas normais, e sim nos canais de pornografia. Batman v Superman (An Axel Braun Parody) XXX é o que tem de melhor na putaria e, quem sabe, até mesmo no mundos dos cinemas.

Argumento:

A história de Batman v Superman (An Axel Braun Parody) XXX é bem confusa. A trama começa com Superman e Maxima (sim, ela mesma) reunidos para achar uma solução que tire Lex Luthor do poder. Só nisso o filme já me ganha, porque faz mais referências aos quadrinhos do que qualquer filme normal. Entre sexo e putarias leves, a turma todo se reúne para fazer algo que não fica bem claro. Batman, Arlequina, Mulher Gato, Coringa, Mulher Maravilha e até a Supergirl aparecem na porra de uma trama completamente sem pé nem cabeça.

Tesão, diversão e um roteiro confuso (mas quem liga?):

Bom… Já que a história do filme é mais louca que o Batman (o próximo gif vai te fazer entender essa referência), a salvação do filme fica a cargo do diálogo e das “atuações”. E dá muito certo! As cenas de sexo de Batman v Superman (An Axel Braun Parody) XXX nem de longe são inovadoras, mas as atrizes e atores passam um “realismo” muito grande em suas interpretações. Você vê tudo aquilo e pensa “ok, é assim que a Arlequina seria transando”. Numa produção pornô desse nível, ter atores que mandam bem é importante.

dance batman dc adam west batman day

Daí nasce a expressão “mais louco que o batman”

As cenas de sexo são uma obra a parte. A primeira delas começa entre Maxima e Superman, e apesar da personagem ser desconhecida, o boquete que ela paga é digno de um prêmio. Na cena não tem penetração, mas rola muito oral e uma espanhola muito foda. Em determinado ponto, Maxima segura o pau do Superman e mistura um handjob (punheta) com um blowjob (boquete) de altíssimo nível. Fiquei me perguntando como o cara não gozou ali na hora.

Batman-V-Superman-XXX-Scene-3-2

Já o sexo entre a Arlequina e o Batman é meio “gratuito”, ou seja, não tem bem uma explicação. Mas como essa porra é uma paródia pornô e não um filme de festival para intelectuais, a gente não se importa muito com a falta de nexo. É uma boa cena de sexo, apesar da atuação poder ser um pouco melhor. A atriz que faz a Arlequina (dessa vez eu não me importei em pegar nomes exatos) é bem gostosa, tendo tatuagens nos lugares certos. Todo mundo sabe que mulher tatuada ganha mais 3 pontos na escala “Tesão”.

Daí pra frente só melhora. Supergirls, com um belo matagal na pepeka, dando fortemente para o Lex Luthor. Coringa, Mulher Gato e Arlequina fazendo um poderoso ménage. E pra finalizar: Batman, Mulher Maravilha e Superman numa das cenas mais icônicas do pornô de paródia. Ou seja, o filme é legal, divertido e dá um tesão cavalar.

Batman-V-Superman-XXX-Scene-5-2

Minha dica: Quer convencer sua namorada a fazer um ménage com outra mulher? Coloca ela para ver esse filme. E se você já é menina, não precisa ficar preocupada, o filme também tem ménage com 2 homens, seu namorado pode curtir a ideia. Aproveitem bem as 2 horas e 13 minutos de Batman v Superman (An Axel Braun Parody) XXX, porque vai render uma boa diversão sozinho(a) ou acompanhado(a).

Ficha Técnica
Nome: Batman v Superman (An Axel Braun Parody) XXX
Ano: Junho de 2015
Produtora: Axel Braun Productions
Duração: 162 minutos
Elenco: Carter Cruise, Alison Tyler, Britney Amber, Kleio Valentien, Aiden Ashley, Celeste Star, Ryan Driller, Derrick Pierce, Giovanni Francisco, Brendon Miller

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments