Escolha uma Página

Apesar do pornô ser uma coisa muito boa, e ter ajudado várias pessoas a se libertarem de opressão de costumes e conceitos morais deturpados, nem sempre ele é a um mar de rosas. Na verdade existem muitos “assuntos sensíveis” dentro da industria pornográfica. São assuntos chatos de serem conversados, mas que em algum momento precisam ser comentados. Talvez o mais emblemático desses “problemas” seja os casos de DSTs. Eles são usados para prejudicar a imagem da pornografia e fazer as pessoas acreditem que “pornô é mal”. Mas será que isso é verdade? Confere aí!

O QUE SÃO DSTs?

Para começo de conversa, é bom explicarmos o que são DSTs. Tem uma galera por aí que não sabe o que é isso. E DSTs são, basicamente: doenças sexualmente transmissíveis. Porém isso não faz com que essas doenças sejam transmissíveis apenas pelo sexo. Ou seja: você contrair determinadas DSTs por n motivos diferentes, que nada tem a ver com sexo propriamente dito.

Esse pequeno fato faz com que a conclusão “pegou a doença fazendo uma cena pornô”, nem sempre seja verdadeira. Existem grupos de riscos para cada doença. Por exemplo: quem usa drogas injetáveis, tem mais chances de contrair HIV e Hepatite, por serem doenças transmitidas pelo compartilhamento de seringas e agulhas. Assim como pessoas com pouca higiene nos órgãos sexuais, pode contrair gonorreia.

UM MONSTRO BEM MENOR DO QUE PARECE

A realidade é que nunca vamos saber exatamente como um ator contraiu essa ou aquela doença, ao menos que ele exponha toda a sua vida e tenha como comprovar. E é aí que mora o problema e a solução ao mesmo tempo. Os casos de contração de DSTs durante as gravações não chegam a representar 1% do total de profissionais na ativa. É mais fácil você contrair HIV por causa de lixo hospitalar, uso de drogas e outros n fatores, do que gravando uma cena pornô.

FECHAR OS OLHOS NÃO É SOLUÇÃO

Apesar das DSTs não serem o maior problema da industria pornô, até porque esse cargo fica com a baixa remuneração, nós ainda temos que encontrar meios de evita-las. Assim como uma empresa de construção civil precisa dar equipamentos de segurança, as produtoras pornô precisam lidar com essas doenças. A melhor maneira de fazer isso é se assegurando de que todas as medidas de prevenção estão sendo levadas a risca. Infelizmente só existem 2 medidas principais: 1) O uso de camisinha durante as gravações; 2) Exigir exames clínicos e laboratoriais dos atores e atrizes periodicamente.

Não precisa ser nenhum gênio pra sacar que ambas as medidas são problemáticas e além de não assegurarem muito, ainda podem causar baixas nos lucros. Analisando a primeira medida, é importante lembrar que o uso de preservativos em filmes pornô é algo “relativamente” novo. Até meados dos anos 90, a maior parte das cenas eram se proteção. O público se acostumou com esse padrão, e alguns até deixam de assistir as cenas onde os atores estão com preservativos. Mudar essa cultura pode levar um tempo, e não será 100% eficaz, porque ainda existe um campo de fetiches envolvendo ejaculação interna.

Já a segunda medida é ainda mais controversa. A maior parte das empresas exigem exames clínicos para a admissão de um funcionário, e isso tem um custo que será pago ao longo do trabalho de quem foi contratado. No caso da industria pornô, é um fato de que a maioria dos atores e atrizes não estão filiados/empregados numa única produtora. E aí? Como manter esses exames em dia? Como garantir a validade/confiabilidade dos exames? Simplesmente não tem como. Existe até uma espécie de “sindicato do pornô”, mas ele funciona operando apenas em algumas cidade principais. Isso apenas nos EUA, porque do lado de cá, a preocupação é menor.

COMO POSSO AJUDAR A EVITAR DSTs NO PORNÔ?

O seu papel, como espectador, nessa brincadeira é bem pequeno. Você pode fazer bem pouco, e suas ações serão bem indiretas. Mas… Não custa nada tentar, né? Então pra começo de conversa: tente consumir mais pornô onde existe o uso de camisinha. A industria pornô nacional é fraca na hora de fazer pesquisa, mas uma hora ou outra eles percebem isso. Outra coisa que você pode fazer é não votar em conservadores. Ok, sei que isso parece estranho, mas é fácil de entender.

Primeiro ponto: políticos conservadores tem uma agenda anti pornô, só que o pornô nunca vai acabar (mesmo se totalmente proibido). Pornô amadores e ilegal tem menos preocupações com o bem estar dos profissionais. Votar em políticos progressistas, liberais e até mesmo de esquerda moderada, te garante que a pauta “normatização do pornô” fique em alta no congresso. Pode não ser a solução para a economia do país, mas será uma forma de ajudar os profissionais dessa área. E vamos ser sinceros: ninguém aqui é moleque pra acreditar que um político conservador vai ajudar na economia, né? RS


Gostou dessa matéria sobre as DSTs dentro do pornô? Então nos ajude a manter o site no ar: vire nosso padrinho! É só clicar aí na imagem 😉

Babalu

O PBG é um blog mantido por muitas pessoas que não podem ou não querem se identificar. Você pode enviar o seu texto para contato@peixebolagato.com.br, e terá sua identidade preservada.

Comments

comments