Escolha uma Página

Presente no pornô nacional desde 2013, Laysa Gregory é uma daquelas morenas que conseguem tirar o folego de qualquer um. Seu olhar consegue penetrar corações, enquanto seu bumbum redondinho hipnotiza quando é visto. Com apenas 24 aninhos, a gata já faz sucesso nos filmes da Brasileirinhas e em show de Stripe Tease por todo o país. Em 2014 foi eleita a Novata Sensação numa enquete aberta pela BM Vídeos.

Conseguimos bater um papo gostoso com essa beldade, e conhecemos melhor a mulher forte e decidida que está por de trás da imagem de menina malandra que só a Laysa é capaz de criar. Fique atento e não deixe a beleza da moça te cegar, ela sabe o que quer da vida e não é de dar mole pra qualquer zé mané.

PBG: O que te levou a escolher a carreira de atriz dentro do pornô nacional?
Laysa Gregory: É aquele velho ditado, “diga-me com quem tu andas, que te direi quem és”.

Laysa Gregory

PBG: E foi de boa fazer a primeira cena ou rolou medo?
Laysa Gregory: Então… Eu sou de Santa Catarina, tive que vir para São Paulo, pra gravar. Antes disso eu já viajava bastante, como striper. Medo, a gente sempre tem, mas vai com medo mesmo. O importante é prosseguir.

Rolou tudo de boa, sabe? Foi tudo bem tranquilo. As pessoas foram bem profissionais. Eu não tinha nenhum contato nesse meio, até aquele momento. Aí eu fui conhecendo e conhecendo…

Nenhum ser humano é tão insensível ao ponto de sentir nada.

PBG: Dá pra curti a transa mesmo tendo uma galera em volta?
LG: Essa questão de curtir a transa (de gozar durante a cena), acho que vai muito da atriz.

Por exemplo: eu sou atriz de verdade, estudei teatro e entrei para o pornô pra ganhar nome de atriz, pra depois vender os meus shows. Ou seja para poder ganhar mídia. Não propriamente pelo “pornô”. Não sou nenhuma ninfomaníaca.

Nessa questão de sentir prazer na hora da cena… lógico, né? Nenhum ser humano é tão insensível ao ponto de sentir nada.

PBG: Rolou algum preconceito, por parte das pessoas próximas, quando você decidiu usar o pornô pra dar essa alavancada na carreira?
LG: Nossa, maravilhoso você fazer essa pergunta. Fizeram a mesma pergunta quando fui dar entrevista para o Serginho Grosman, no Altas horas, e cortaram tudo o que eu falei.

Eu sempre andei num meio social com pessoas de mente mais aberta. Sempre frequentei o meio social swinger. As baladas que eu ia, eram em casa de swing. Os meus amigos, eram casais muito bem estabilizados, decididos e resolvidos. Então nunca tive problema no meu circulo de amizade. Tanto é que hoje tenho os mesmos amigos de quando não era conhecida. E consegui mais amigos ainda.

Acho que devemos andar, ter amizade, nos relacionar com quem nos faça bem, e sempre fiz isso na vida. O pornô não mudou nada para mim em relação as amizades. Muito pelo contrário. Os bens materiais que adquiri hoje, financeiramente falando, foi por causa do pornô. Só tenho a agradecer, pela Brasileirinhas principalmente, que foi quem me alavancou.

Acho que os produtores e diretores deveriam criar mais situações antes da “metalança”

PBG: E como atriz, você acha que tem como o pornô nacional usar um pouco mais da parte interpretativa? Toparia fazer algum filme com uma história mais elaboradas?
LG: Logico! Eu acho que o pornô brasileiro tá muito “retardado”, se comprado aos filmes internacionais, porque alguns filmes internacionais tem todo um enredo, sabe? Antes de “começar” (a parte sexual), tem toda uma história.

Acho que os produtores e diretores deveriam criar mais situações antes da “metalança” (risos). Ia agradar mais público, abranger mais pessoas.

PBG: Te acompanho no instagram. Dá pra ver que tem uma galera que é abusada, e uma galera que é mais educada. Como você lida com essa exposição?
LG: Olha, eu acho que educação e respeito é bom e todo mundo gosta.

Trato todo mundo com respeito, independente de qualquer profissão. Acredito que mereço respeito, como qualquer ator. Por isso que quando há algum comentário pejorativo para minha imagem, excluo na hora. E me desculpem os fãs, mas excluo mesmo.

PBG: Da pra ver também que você é bem ativa, faz exercício, se cuida. Entre as gravações, os shows e tudo mais, dá tempo de se envolver com alguém, de ter um relacionamento sério?
LG: Pra falar bem a verdade, eu me esforço muito pra ter tempo pras coisas que gosto de fazer. Trabalho bastante com a internet, assim como trabalho com as minhas imagens e também com os shows. A vida acaba ficando meio corrida. Mas assim… “relacionamento”, no momento eu “estou de boa”.

Expor uma coisa que não gosto, seria um pouco demais para mim.

PBG: Acho legal que dá pra ver que você é bem resolvida e decidida. Mas tem algo que você não faria nos filmes?
LG: Eu não gravaria uma cena bissexual, porque sou hétero.

Gosto de homens, então não gravaria uma cena transando com uma mulher. Tanto que no meu meio pessoal, também não fico com mulheres. Expor uma coisa que não gosto, seria um pouco demais para mim.

PBG: Tem muitas mulheres por aí que tem vontade de tentar uma carreira no meio pornográfico. Você tem algum conselho, ou dica para dar?⁠⁠⁠⁠
LG: Seja profissional em todos os sentidos. Essa é a dica.

Sou muito profissional, e com isso acho que acabei agradando vários públicos, não só do pornô. Um bom profissional vai saber cativar o público, vai saber como fazer o espectador sentir tesão. Ser um bom profissional é tudo.


Gostou dessa matéria? Quer ver mais conteúdo assim aqui no Peixe Bola Gato? Então nos ajude a manter o site no ar: vire nosso padrinho! Com uma doação mensal de 1 real, você já está nos ajudando a segurar as pontas e continuar falando do pornôzão todo dia. É só clicar aí na imagem 😉

 

O PBG é um blog mantido por muitas pessoas que não podem ou não querem se identificar. Você pode enviar o seu texto para contato@peixebolagato.com.br, e terá sua identidade preservada.

Comments

comments