A grande perola do pornô nacional são as atrizes. Essas mulheres carregam a industria nas bucetas e cus costas, sem receber o devido reconhecimento. E foi pensando nas nossas musas nacionais que nós resolvemos criar o quadro Musas do Pornô Brasileiro (MPB). Nele contaremos um pouco da história das principais atrizes pornôs brasileiras. Mostrando um lado mais humano dessas meninas que são tratadas como pedaços de carne.

A melhor forma de começar esse quadro era “por cima”. E ninguém melhor para ser a primeira homenageada do a linda e selvagem Mônica Santhiago. Uma das rainhas do anal, reconhecida internacionalmente, mas esquecida por muitos brasileiros. Então se segura aí, porque são 102 cm de bunda e muita história para contar sobre a Mônica.

Da pedagogia ao pornô

A vida de Mônica Santhiago não é muito diferente da de muitas pornstars. Nascida em 1975, na cidade de Porto Alegre, o pornô não foi a primeira opção de Mônica. A morena se formou pedagogia e psicopedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Trabalhou como professora durante oito. E quando perdeu o emprego, decidiu trabalhar com a industria do entretenimento adulto.

A entrada de Mônica como atriz pornô se deu através de um contato com o ator Don Picone. Os dois se conheceram numa boate, e vendo a beleza da moça, Don Picone a convidou para gravar uma cena. Dai para frente, Mônica Santhiago se tornou uma das atrizes brasileiras mais requisitadas de sua geração. Gravou para diversas produtoras nacionais, como As Panteras, Brasileirinhas, Explicita e Buttman Brasil. Mas sua carreira não parou aí, o reconhecimento internacional veio logo. Mônica Santhiago também foi sucesso nas produtoras internacionais, como Evasive Angles, Naughty America, Brazzers e Reality Kings.

Com seus 102 cm de bunda, a morena chama atenção em todos os filmes onde marcou presença. Suas performasses são lembrada pela naturalidade que Mônica tem em gravar as cenas. Mas o que poucas pessoas sabem é do outro lado da atriz. A tatuagem  de arame farpado que a beldade carrega no bumbum, é uma homenagem a Santa Catarina, que morreu amarrada em arames farpados.

Mônica Santhiago

Anal, anal e mais anal!

Mônica Santhiago e sexo anal, são duas coisas que andam juntas. Ela se destacou fazendo cenas de hardcore, com alguns elementos de dominação, mas o anal é seu grande  trunfo. A própria já firmou em algumas entrevistas que sexo, sem anal, não é a mesma coisa. A bunda gigante e a facilidade para relaxar o esfincter (músculo do cu), dá a Mônica a capacidade de realizar cenas de anal com atores bem dotados.

Mônica Santhiago é um patrimônio do pornô nacional

Para ser bem sincero: não sou ultra fã da Mônica Santhiago. Porém reconheço que ela se destaca em vários sentidos. Inclusive é uma das poucas atrizes nacionais que teve talento para bater de frente com nomes internacionais, mantendo sua aparência latina e jeito brasileiro. Do meio pornô nacional, Mônica foi uma das primeiras que soube usar sua marca. Uma das primeiras que teve um bom relacionamento com as mídias sociais de forma comercial. E se você gosta muito de cenas com sexo anal, Mônica Santhiago sempre será uma referência de qualidade.

 

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments