Perfil: Mia Khalifa

Nem sempre uma atriz pornô se destaca pela performance que tem na frente das câmeras. As vezes a fórmula do sucesso é justamente a polêmica que elas geram. Um bom exemplo desse efeito é a Mia Khalifa, que a apesar de não ser uma atriz de longa carreira, conseguiu chocar o mundo tão rápido que se tornou uma referência. E como nós não somos bobos, tratamos de fazer esse perfil da Mia, para que vocês possam entender o que rolou, e porque essa moreninha tem tanto peso no pornô atual.

A rápida e poderosa carreira de Mia Khalifa

Mia foi descoberta enquanto trabalhava numa rede de fastfood, quando um cliente a perguntou se ela gostaria de fazer um filme. Um começo perfeitamente normal para uma atriz pornô. Porém o mais legal é que seu primeiro filme saiu em Outubro de 2014, e com menos de um ano de carreira, “Mia  Khalifa” já era o nome mais procurado nos sites de conteúdo pornô grátis.

Ao todo a morena tem apenas 23 cenas gravadas, todas feitas num período de 3 meses. A maioria delas seguem o mesmo padrão, a colocando como uma “menina muçulmana” que está descobrindo a putaria, ou como a “garota nerd” que quer foder. O essência é que ela passa a mesma ideia de “inocência” que a Sasha Grey passava em seus primeiros filmes. Aliás… A comparação entre as duas foi inevitável no começo da carreira de Mia.

Mia Khalifa não chegou a ganhar prêmios. Sua carreira foi extremamente rápida para que isso acontecesse. O legal é que mesmo fora do pornô, ela continuou seu trabalho como camgirl no site Camster. As suas transmissões abertas já chegaram a mais de 10 mil espectadores, e não é apenas um lugar para “putaria”. Mia usa as transmissões para falar sobre  questões  étnicas, futebol americano e política.

Mia Khalifa e a polêmica da Burca

Numa de suas primeiras sequências de cena, Mia usou uma espécia de lenço na cabeça. Não chegava a ser uma burca, mas era o tipo de coisa que uma muçulmana usaria. E obviamente que essa cena se tornou um problema sério para a comunidade islâmica. O fato da própria Mia Khalifa ser libanesa era um grande motivo para o país, de fé Islâmica, reagir mal aos seus vídeos. Fazer uma cena pornô fantasiada como uma “menina muçulmana” que transa com um norte americano, só piorou tudo. Isso sem falar que a Mia Khalifa, na verdade, é católica.

O que eu acho da Mia Khalifa?

Para ser bem sincero, não acho a Mia Khalifa tudo isso. Ela é gostosa, bonita e ligeiramente interessante. Mas não é marcante. Suas 23 cenas são basicamente a mesma coisa. Quando ela não está fazendo o papel de imigrante inocente, faz papel de menina nerd. Não que esses perfis sejam ruins, mas a repetição é que mata.

Talvez o sucesso da Mia Khalifa venha do fato de a juventude norte americana se identificar com ela. Quantos moleque tem amigas de classe que são parecidas com a Mia? Então ela, meio que, acaba satisfazendo esse fetiche adolescente. E fica por aí mesmo. Porque até fodendo, a Mia é extremamente “normal”.

O que não dá para questionar é a importância da Mia Khalifa para a popularização do pornô étnico voltado ao público “muçulmano”. Cada cena que ela fez usando burca, foi um soco no estomago do Islã e uma conquista contra o preconceito.


Ficha Técnica

Nome Real: Mia Callista
Nascimento: 10 de fevereiro de 1993
Cidade Natal: Beirute, Líbano
Total de filmes: 23
Ano de entrada: 2014
Primeiro filme: Xtra 15


Gostou dessa matéria? Quer ver mais conteúdo assim aqui no Peixe Bola Gato? Então nos ajude a manter o site no ar: vire nosso padrinho! É só clicar aí na imagem 😉

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments

Crítico de Pornô

Desde pequeno, "O crítico" é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.