Perfil: Misty Stone

Nós já falamos aqui sobre a dificuldade que as mulheres negras enfrentam dentro do mundo pornô. Além de salários menores e serem consideradas como “fetiches”, são poucas as negras de sucesso e renome na industria pornô. O legal é que quando uma delas se torna “pornstar”, podemos bater palmas com mais entusiasmo. É o caso da bela e sagaz Misty Stone, que além de ser uma linda negra de cabelos naturais, ainda bate um bolão em suas cenas.

Misty Stone
A Halle Barry do pornô

A carreira de Misty Stone começou “por acaso”. A jovem negra nunca teve a intensão de se tornar uma pornstar. Mas depois que se viu nos filmes, fez o esforço máximo para dar o melhor de si. Sua primeira cena foi no filme Black Cherry Poppers 1 em 2006. Nela dá para notar que Misty estava um pouco desconfortável, e ainda assim se virava bem.

Com os cabelos cacheados e um corpo magrinho, Misty chamou atenção rapidamente. Sua atuação no começo era bem inconstante. Ela estava sempre buscando uma marca própria. Aos poucos Misty foi amadurecendo e acabou criando essa imagem de mulher elegante e safada.

O ponto alto da carreira de Misty Stone está nas paródias pornô. Nesses filmes ela pode começar atuar de verdade e mostrar seu potencial. Em Men In Black A Hardcore Parody XXX suas cenas normais são as mais engraçadas, e as cenas sexuais são as mais quentes.

Em 2013, Misty lançou sua própria produtora, a Misty Stone Productions. Com um material bem variado e atores e atrizes de todas as etnias, a produtora é uma das melhores no pornô mainstream. Seus filmes são mais “fácies” de serem aceitos. Do tipo que dá para ver com a namorada sem ela ficar chocada. E junto com produtora, a jovem negra bem sucedida, lançou também uma linha de produtos baseados em seu corpo.

Um ano depois, Misty anunciou que ia dar uma freada na carreira. Ela não parou de fazer filmes, mas começou a focar em cenas lésbicas e solo. O que não é nenhum problema, porque a mulher mandou bem pra caralho nesse ramo também. O legal é que essa brecada, deu a Misty a oportunidade de atuar fora do pornô. Misty esteve no filme Don Jon, onde também podemos ver Scarlett Johansson transando com o Joseph Gordon-Levitt.  😎

Fora dos padrões e esteriótipos

Infelizmente a industria do pornô coloca a maioria das mulheres negras para representar “mulheres do gueto”. E no caso da Misty isso não acontece. Ela não tem grandes tatuagens na bunda, nem unhas postiças ridículas e ainda mantem seu cabelo natural. Misty Stone é uma negra de beleza mais realista.

Não vá pensando que por ser “fora do pradão”, ela manda mal em cena. Como seu corpo é magro e pequeno, as posições e acrobacias que a Misty faz são fodas pra caralho. Coisas que mulheres com bundas gigantes nunca vão conseguir fazer. É uma pena que ela tenha poucas cenas de anal, mas todas são de extrema qualidade e deixam qualquer um maluco.

Misty Stone

O que acho da Misty Stone?

Qualidade, paciência e beleza. Essas são as três características de qualquer cena da Misty. Mesmo naquelas cenas mais “pesadas”, a Misty consegue transmitir um ar mais sofisticado. Então quando você a vê em cena, sabe que a coisa vai ser bem feita. Não se engane, ela fode feito um animal no cio, mas sempre com charme. Misty Stone é de longe uma das minhas atrizes preferidas.

Ficha Técnica
Nome Real: Não encontrado
Nascimento: 26 de março de 1986
Cidade Natal: Inglewood, Califórnia, Estados Unidos
Total de Cenas: 327
Ano de entrada: 2006
Primeiro filme: Black Cherry Poppers 1

Compilado


Gostou dessa matéria? Quer ver mais conteúdo assim aqui no Peixe Bola Gato? Então nos ajude a manter o site no ar: vire nosso padrinho! É só clicar aí na imagem 😉

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments

Crítico de Pornô

Desde pequeno, "O crítico" é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.