Scooby_Doo_A_XXX_Parody_cd2Argumento:

Depois de beber até cair (usar drogas e fazer sexo com uma desconhecida)  numa festa de Halloween, Salsicha acorda de ressaca e percebe que perdeu Scooby. Com essa premissa inicial, a turminha de detetives composta por Fred (Michael Vergas), Velma (Bobbi Starr), Daphne (Bree Olson) e Salsicha (Chad Alva), saem em busca de seu cachorro e sua primeira pista leva direto para a casa assombrada onde fora a “festinha” de Halloween foi “mágica”.

Tentativa de não detonar 100% do filme:

Fred, Daphne, Velma, Salsicha e até mesmo o próprio Scooby, sempre estiveram no imaginário de todos os pervertidos, afinal de contas são 4 adolescente que rodam o mundo dentro de uma van, não tem como deixar de pensar que em algum determinado momento vai rolar sexo nessa história. Então, porque não fazer uma paródia porno que conte essa parte mais “luxuriosa” do cotidiano na Mistérios S/A? Ok, eu mesmo posso pensar em vários motivos, mas ao que parece nenhum deles foi forte o suficiente para impedir os produtores de Scooby Doo: A XXX Parody.

Scooby Doo: A XXX Parody é o tipo de produção “bem feita”, com detalhes em todos os cantos e um enfoque legal no referente a parte roteirizada. O problema é que na última crítica que publiquei, reclamei um bocado sobre a falta de “fundo/história” presente na paródia The Office: A XXX Parody, porque a característica mais “visceral” da produção manchava o lado cômico, expondo de mais a sexualidade, transformando o filme num porno comum, sem as tonalidades divertidas e fetichistas de uma paródia. O que eu não havia percebido antes é que a inversão desses valores, ou seja, a super exposição do viés cômico, também tem o poder de enfraquecer uma paródia pornô, e foi justamente isso que aconteceu com Scooby e companhia.

O filme inicia bem, com sua primeira cena de sexo aos 4 minutos, vinda diretamente de uma série de piadas feitas entre Salsicha e Fred, tudo começando quando Salsicha acorda de ressaca no dia seguinte à uma festa de Halloween e percebendo que perdeu Scooby Doo. Daí para frente o roteiro segue a risca a dinâmica dos episódios da série em desenho animado. Cada uma das cenas envolvendo sexo envolve uma penca de justificativas dentro da narrativa, meio que se justificando. E você, amigo leitor, poderia até pensar que essa ligação super desenvolvida torna o filme mais legal, porém na realidade ela só faz com que os diálogos sejam muito longos e o sexo permaneça em segundo plano.

Claramente um grupo de jovens problemáticos e que só querem sexo.

Claramente um grupo de jovens problemáticos e que só querem sexo.

É preciso salientar também que boa parte dos problemas de Scooby Doo: A XXX Parody vem do elenco fraco. A única atriz do filme que tem peso nas interpretações (até mesmo no sexo) é a Bobbi Starr, o resto do elenco é composto por atores sem peso nas atuações. É chato ver alguém transando e perceber que a situação está sendo forçada ao extremo.

Acho que não preciso terminar essa crítica dizendo que Scooby Doo: A XXX Parody é quase um filme “familiar”, né? Fora uma cena de sexo lésbico, o filme num geral pode ser considerado fraco por aqueles que procuram por “diversão” e história. Um belo exemplo de como equilíbrio sempre será extremamente importante, até no que tange à paródias pornô.

Técnica Nome: The Office: A XXX Parody
Ano: Março de 2009
Produtora: NewSensations
Duração: 100 minutos
Elenco: Bree Olson (Daphne),Bobbi Starr (Velma),Chad Alva (Shaggy), Michael Vegas (Fred), Evan Stone (The Demon) e Lily Labeau (SinD).

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments