This-Ain’t-Star-Trek-XXX-3Argumento:

Por algum motivo, mas explicado, o Velho Capitão Kirk (do universo da série de tv do Star Trek) é “teletransportado” para o universo do novo Star Trek (esse mesmo que está nos cinemas e é feito pelo J. J. Abrams), encontrando lá uma tripulação muito mais jovem, numa Enterprise novinha em folha. Ou seja: uma loucura foda, digna dos episódios mais loucos da série antiga. E acredite em mim quando digo que a trama é melhor que o filme em si.

É mais para fãs de Star Trek do que para se divertir:

Vi o filme sem ficar mega excitado uma só vez, porém como fã do universo Star Trek, devo confessar que fiquei intrigado com a proposta. Já como filme pornô, This Ain’t Star Trek XxX vol. 3 não é nenhum grande achado que vá entrar no top 10. São 5 cenas de sexo e muita historinha para contar no meio disso, sendo que dessa vez a história em si é melhor que as cenas de sexo.

Começa da forma mais espetacular possível: Kirk está num planeta qualquer que será destruído por alguma catástrofe natural, mas encontra tempo para passar a piroca numa coadjuvante qualquer. A cena é filmada com todo um toque “retrô”, que faz os fãs da série ficarem empolgados, mas a sequência de sexo é inconstante. Em alguns momentos parece que a atriz,  Dillion Harper, não quer estar ali, e com um agravante meio desconcertante: num terminado momento o “Old” Kirk, interpretado pelo icônico Evan Stone, esfrega o saco inteiro na jovem atriz, protagonizando uma das cenas mais bizarras que já vi numa paródia pornô.

Daí pra frente vem loucura total. Old Kirk é teletransportado para o universo dos novos filmes de Star Trek e já chega ditando o tom de humor da coisa. Fica claro que o resto da equipe estava bem “confortável” e achando graça daquela maluquice toda, e isso ajuda a tirar da mente a cena do facial balls que rolou antes.

As próximas cenas vão do blowjob duplo interracial ao girls in action (sexo lésbico, pra você que não conhece os termos do mundo pornô), tudo no melhor estilo “não podemos fugir do personagem”. Spock finge estar na época do pon farr (o link tá aí, agora cabe a você pesquisa o que significa isso) só pra comer a linda Penny Pax numa das cenas de anal mais legais que a mente pode imaginar; Uhura mamando dois Redshirt (outra referência ao seriado); 2 jovens totalmente aleatórias se comendo da na frente de um almirante que eu esqueci o nome… Enfim… É mesmo uma loucura sem pé nem cabeça, mas feita de um jeitinho tão legal, que te anima tentar entender o que está acontecendo.

Uhura mandando muito bem na cena final com o New Kirk.

Uhura mandando muito bem na cena final com o New Kirk.

A escolha dos atores foi boa. Tirando a Dilion Harper que protagoniza a primeira cena de sexo, todo o resto das atuações são bem feitas, passando aquela ideia de que os atores e atrizes estão gostando de filmar. O destaque nesse quesito “interpretação” vai claramente para a Ana Foxxx, que além de ser uma negra linda, conseguiu me fazer querer um boquete.

Claro que não adianta ver This Ain’t Star Trek XxX vol. 3 achando que os cenários serão legais ou que em algum momento vai rolar algum efeito legal capaz de te fazer tirar a mão da piroca/pepeka pra parar de bater uma e ficar prestando atenção. Só quem consegue esse efeito é a trama do filme, porque são tantas reviravoltas que fica impossível não querer ver até o final.

Minha dica:

Se você é fã de Star Trek, veja o filme sabendo que suas amadas referências não foram deixadas de lado. Se estiver vendo em casal e os dois forem nerds, melhor ainda! Dá pra ficar discutindo sobre o filme depois de rolar toda a putaria. Agora… se Jornadas nas Estrelas nunca foi algo do qual você gostasse, não perca muito tempo procurando por esse filme.

FichaTécnica
Nome: This Ain’t Star Trek XxX vol. 3
Ano: Junho de 2013
Produtora: Hustler Video
Duração: 103 minutos
Elenco: Ana Foxxx, Evan Stone, Michael Vegas, Marcus London, Dillion Harper, Bailey Blue, Penny Pax, Will Ryder, Richie Calhoun, Scarlett Fay, Jake Taylor

Trailer

Desde pequeno, “O crítico” é visto como um cara chato por aqueles que o conhecem. Sempre procurando analisar e desenvolver teorias, era um dos poucos adolescente que não se masturbava vendo filmes pornô. O Crítico batia punheta lendo as colunas de crítica do Rubens Ewald Filho.

Comments

comments